Abra ou transfira sua conta. Comece preenchendo os dados a seguir.
Leva poucos minutos.

Blog

HASH11: conheça o ETF de criptomoedas da B3

Ao compor sua carteira de investimentos, é possível buscar oportunidades diferentes do mercado financeiro para atender a diversos perfis e objetivos. Uma dessas possibilidades é o HASH11, um ETF que oferece exposição às criptomoedas.

Com esse tipo de investimento, há como aproveitar vantagens como a praticidade e a diversificação para a carteira. Ao mesmo tempo, existem riscos que devem ser analisados para que você faça uma escolha alinhada com as suas características.

Quer conhecer o que o HASH11 pode oferecer? Veja como esse fundo funciona e saiba se ele é adequado para você!

O que é um ETF?

Antes de conhecer o HASH11, vale a pena entender o que é um ETF ou exchange traded fund. Ele também é chamado de fundo de índice, sendo um tipo de fundo de investimento.

Em relação ao funcionamento, as características básicas são semelhantes às de outros fundos. A participação, por exemplo, depende da aquisição de cotas. Além disso, os recursos são movimentados por um gestor profissional, que escolhe os ativos e realiza as operações.

No caso de um ETF, especificamente, o objetivo é espelhar um indicador de mercado que serve como benchmark. Portanto, os ativos financeiros selecionados são os mesmos da carteira teórica do índice escolhido.

Logo, o objetivo é que a performance do ETF, antes de juros e impostos, seja semelhante à do indicador. Um ETF do Ibovespa (IBOV), por exemplo, investe nas mesmas ações do principal índice acionário brasileiro. Com isso, os resultados do fundo se equiparam ao do IBOV.

O que é HASH11?

Como existem diferentes índices de mercado, os ETFs podem direcionar os recursos para setores variados. Assim, entre as oportunidades existentes está o HASH11 — um ETF de criptomoedas.

Por sua vez, as criptomoedas são ativos digitais e não existem fisicamente. A primeira criptomoeda a surgir foi o bitcoin, no começo de 2009. Desde então, o setor se desenvolveu e dezenas de outras moedas foram lançadas.

Nesse cenário, o HASH11 busca oferecer exposição ao mercado de criptoativos. Esse fundo tem como gestora a Hashdex, que foca em veículos financeiros orientados para moedas digitais.

Qual é a composição do HASH11?

Em relação à carteira, o HASH11, na verdade, não realiza o investimento direto nos ativos de um indicador. Ele é um ETF do tipo fundo espelho, o que significa que ele foca em usar a maior parte dos recursos para adquirir cotas de outro fundo de índice.

Na prática, o HASH11 tem por objetivo espelhar o Hashdex Nasdaq Crypto Index ETF. Esse ETF utiliza o Nasdaq Crypto Index (NCI) como benchmark, desenvolvido pela bolsa norte-americana Nasdaq.

Esse índice busca representar o comportamento do mercado de criptomoedas ao selecionar os ativos mais relevantes e negociados. Assim, o NCI possui critérios específicos — como presença em diferentes exchanges, liquidez e preço de negociação — para compor a carteira teórica.

Quais são as vantagens de investir em HASH11?

Agora que você conhece as principais características do HASH11, vale saber as vantagens dos ETFs. Eles podem ser vantajosos em aspectos distintos, como na diversificação do portfólio. Afinal, a aquisição de cotas permite se expor a diferentes ativos.

No HASH11, por exemplo, você pode expor seus recursos ao comportamento de criptomoedas e aproveitar os movimentos do mercado. Além disso, é preciso considerar os benefícios da regulamentação dos ETFs, já que as moedas digitais são descentralizadas e não são regulamentadas no Brasil.

O investimento direto em criptoativos, portanto, não contam com a atuação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) ou do Banco Central. Enquanto isso, ETFs — como o HASH11 —são produtos regulamentados e já consolidados no Brasil, garantindo mais segurança ao investidor.

Também vale considerar que as moedas digitais podem passar por valorizações significativas ao longo do tempo. Embora o histórico não seja garantia de desempenho futuro, há a oportunidade de rentabilizar parte do patrimônio.

Por fim, o ETF está disponível na bolsa de valores brasileira, a B3. Portanto, proporciona praticidade para se expor aos criptoativos e índices internacionais — em reais e sem burocracia.

Quais são os riscos desse investimento?

Por outro lado, você deve compreender os riscos atrelados ao aporte. Como o ETF é um investimento de renda variável, o risco de mercado existe e é naturalmente maior do que em outras alternativas mais conservadoras.

Além disso, o segmento de criptomoedas pode ser bastante volátil. Então, mesmo que você não invista diretamente nos criptoativos, seu capital fica exposto a essas oscilações — as quais podem resultar em quedas e prejuízos.

Ainda, o HASH11 apresenta o risco cambial, por refletir um ETF norte-americano que investe em dólar. Contudo, é possível gerenciar e mitigar os riscos, desde que exista tolerância a eles em sua estratégia.

O que saber antes de investir em HASH11?

Além das vantagens e desvantagens do HASH11, pode ser interessante conhecer o mercado de criptomoedas antes de alocar seu capital nesse setor. Entender movimentos das moedas digitais, identificar os principais criptoativos e suas características ajuda a tomar uma decisão informada.

Também convém saber que, como esse setor é relativamente recente, o investimento é considerado alternativo. Ou seja, não se trata de investimentos tradicionais. Embora essa característica possa representar uma boa oportunidade de lucros, exige atenção quanto à volatilidade e aos riscos envolvidos.

Nesse sentido, pode ser interessante limitar a exposição do seu capital a esse tipo de investimento — mesmo sendo um ETF. Ao considerar esses aspectos na alocação de recursos, você pode aproveitar potenciais valorizações, mas também limita eventuais perdas.

Como investir nesse ETF?

Ciente das principais características do HASH11, é o momento de saber como realizar o investimento. Comece pela identificação do seu perfil de investidor, entre conservador, moderado ou arrojado. Dependendo da classificação, você saberá se tolera os riscos do ETF.

Depois, é preciso identificar seus objetivos financeiros. Por ser de renda variável, o longo prazo pode ajudar a diluir riscos. Porém, como não há garantias quanto à continuidade do mercado de criptoativos, pode ser possível considerar o investimento em curto prazo, se houver tolerância ao risco.

Em seguida, você deverá abrir uma conta em uma corretora de valores. É por meio dela que você poderá acessar o home broker e negociar as cotas do HASH11 na B3.

Se precisar de ajuda para conhecer melhor a alternativa e tirar dúvidas, vale a pena contar com uma assessoria de investimentos. Assim, você terá uma compreensão maior sobre os investimentos e poderá basear sua tomada de decisão.

Como visto, o HASH11 é um ETF de criptomoedas cujas cotas são negociadas na bolsa de valores. Se o investimento fizer sentido para as suas características, como perfil e objetivos, é possível aproveitar essa oportunidade para compor a sua carteira.

Precisa de ajuda para tirar dúvidas sobre esse e outros investimentos? Entre em contato conosco da Manchester Investimentos!

Tags: InvestirMercado FinanceiroIbovespainvestimentoshashdex nasdaq crypto index fundo de índicebitcoincriptomoedaexchange traded funds etfbenchmarkativos financeirosetf

Cadastre-se e receba mais conteúdos

Obrigado pela visita em nosso site!

Deixe suas informações nos campos abaixo para conhecer melhor o nosso trabalho de assessoria profissional, e receba um guia de investimentos gratuitamente.

fechar popup