Abra ou transfira sua conta. Comece preenchendo os dados a seguir.
Leva poucos minutos.

    Blog

    Análise técnica e fundamentalista: quando utilizar cada metodologia?

    Realizar operações na renda variável exige uma tomada de decisão orientada e estratégica. Assim, você consegue fazer escolhas conscientes de acordo com os seus objetivos e seu perfil de investidor. Nesse caso, pode ser interessante recorrer à análise técnica e à análise fundamentalista.

    Essas são duas metodologias de avaliação do mercado que utilizam elementos distintos e, portanto, devem ser usadas em momentos diferentes. Ao conhecer cada uma, você entenderá quando adotá-las e como usá-las a favor dos seus objetivos.

    Quer saber mais? Continue a leitura para aprender o que são a análise técnica e fundamentalista e como as duas podem ser usadas em sua estratégia!

    O que é a análise técnica e como ela funciona?

    Para entender essas duas metodologias de avaliação, vale começar aprendendo sobre a análise técnica. Ela consiste em uma avaliação do histórico de preços e do volume de negociação de ativos e derivativos da bolsa de valores.

    Como a apresentação das informações ocorre graficamente, essa metodologia também é chamada de análise gráfica. Entre os tipos de gráficos mais utilizados, estão o de linha, de barra e de velas (candlesticks).

    Em relação ao funcionamento, a análise gráfica busca identificar tendências e antecipar o comportamento do mercado, sempre com base em informações consolidadas. Assim, você pode definir se esse é o momento de abrir ou fechar uma posição.

    Para isso, a análise gráfica utiliza tanto os indicadores técnicos quanto os padrões gráficos. No caso, os indicadores servem para medir condições que ajudem a reconhecer o comportamento do mercado. Um indicador técnico de volume, por exemplo, demonstra se a tendência é forte ou não.

    Já os padrões gráficos correspondem a um conjunto de elementos que costumam se repetir e indicam um movimento do mercado. Os topos e fundos, por exemplo, são padrões que representam os pontos mais altos e mais baixos dos preços, respectivamente.

    Se dois topos aparecerem juntos, pode ser um sinal de que o mercado está prestes a sofrer uma reversão, o que pode fazer o preço do ativo ou derivativo começar a cair. Logo, identificar esses padrões ajuda a definir quando operar.

    O que é a análise fundamentalista e como funciona?

    Depois de entender a análise técnica, é preciso conhecer a análise fundamentalista e as suas características. Esse método é bastante utilizado no mercado de ações e tem como objetivo avaliar os fundamentos das empresas.

    Para tanto, a análise utiliza os chamados indicadores fundamentalistas. Eles são medidas consideradas relevantes do negócio e ajudam a entender qual é a situação financeira e organizacional atual e quais são as perspectivas do negócio.

    Como exemplo, considere o P/L. Esse indicador representa a relação entre o preço da ação e o lucro por ação. Assim, é possível saber o quanto o mercado está disposto a pagar pelo lucro que a empresa oferece.

    Se o P/L for maior que 1, a ação teoricamente é negociada por um preço acima do que seria justo, já um PL inferior a 1 pode indicar que a cotação está abaixo do valor justo. Então você pode entender como o mercado se comporta em relação aos papéis e se eles são atraentes para a sua carteira.

    Note, entretanto, que a análise fundamentalista não deve se basear em apenas um indicador. É preciso utilizar diversas ferramentas desse tipo para compreender a real situação do negócio e ter mais segurança nas negociações.

    Além disso, vale saber que a análise fundamentalista está amplamente relacionada ao mercado acionário, mas não se limita a ele. É possível utilizá-la para analisar a saúde de diversos tipos de fundos de investimentos ou de outros ativos.

    Nesse caso, será preciso adaptar a análise a cada tipo de investimento, selecionando os indicadores mais adequados. Em um fundo imobiliário (FII), por exemplo, pode ser interessante avaliar o cap rate ou taxa de capitalização.

    Esse indicador não faz sentido para ações, já que se relaciona ao mercado imobiliário, mas pode ajudar a conhecer o potencial de retorno do FII.

    Para que serve cada uma delas?

    Agora que você sabe as diferenças entre análise técnica e fundamentalista, é hora de entender que elas têm usos diferentes. A análise técnica é voltada para quem deseja especular na bolsa de valores. Nesse caso, o objetivo é buscar lucros com as oscilações de preços em operações de curto prazo.

    Como a intenção é explorar a volatilidade para obter ganhos, faz sentido aproveitar os movimentos pontuais do mercado. Desse modo, a análise técnica ajuda a entender quando é o momento de abrir ou fechar uma operação.

    Já a análise fundamentalista está relacionada a uma estratégia de investimentos de longo prazo. Isso porque o objetivo do investidor é saber se uma empresa ou fundo tem boas perspectivas para o futuro.

    Por exemplo, os indicadores financeiros ajudam a entender qual é o valor da empresa e quais resultados ela pode atingir. Com isso, é possível escolher as companhias com melhor potencial de valorização ou consolidação no longo prazo.

    Apesar das diferenças, nota-se que ambas as análises servem para embasar as decisões no mercado financeiro. Com isso, elas podem ser úteis para especuladores e investidores que queiram cuidar melhor dos seus recursos e alcançar os objetivos definidos em seu planejamento.

    Quando usar análise técnica e fundamentalista?

    Como você viu, existem diferenças relevantes entre análise técnica ou fundamentalista, envolvendo o seu uso e funcionamento. Por isso, cada uma delas deve ser adotada em situações específicas.

    A análise técnica serve quando você deseja saber se é o momento de iniciar ou encerrar uma operação de especulação. Logo, ela pode ser utilizada para day trade, swing trade ou position trade, por exemplo.

    Além disso, a análise técnica serve para você entender melhor as condições do mercado e definir sua estratégia de operação. Com base nos dados de preços e volume, é possível identificar a volatilidade do mercado e determinar qual é o melhor modo de operar.

    Já a análise fundamentalista deve ser usada para embasar sua decisão de investimento. Com ela, fica mais fácil saber se uma empresa tem potencial de se manter relevante e de se valorizar no longo prazo, com base nos índices financeiros.

    Ainda, os fundamentos são úteis para colocar em prática certas estratégias. Se a sua intenção for adotar o value investing, por exemplo, é preciso encontrar ações de boas empresas que sejam negociadas abaixo do que valem. Para tanto, a análise de indicadores é indispensável.

    Como você aprendeu, a análise técnica e a análise fundamentalista servem para a especulação e para o investimento de longo prazo, respectivamente. Ao usar os indicadores e elementos certos de avaliação, será possível tomar decisões de modo mais qualificado.

    Essas informações foram úteis? Se quiser conhecer melhor as formas de analisar o mercado, fale com nossos assessores da Manchester Investimentos!

    Tags: finanças pessoaisanálise fundamentalistabolsa de valoresindicadores financeirosmercado de açõesanálise técnicaestratégia de investimentosmercado financeiro;mercado acionárioanalise tecnica ou fundamentalistaíndices financeirosvalor da empresa

    Cadastre-se e receba mais conteúdos

      Obrigado pela visita em nosso site!

      Deixe suas informações nos campos abaixo para conhecer melhor o nosso trabalho de assessoria profissional, e receba um guia de investimentos gratuitamente.

      fechar popup

        Já sou cliente Manchester